O DIA EM QUE DR. DUBOC “PINOU”

O DIA EM QUE DR.  DUBOC “PINOU” …

 

A abertura da XX Conf Nac dos advogado em 12 de novembro de 208 foi pura emoção.  6 mil advogados de todo o pais irmanados em discutir os avanços na nossa democracia. A solenidade de abertura resgatou a memória das conferencias  anteriores,  em cada momento  uma prova de que os direitos humanos são um construído histórico. Musicas foram veiculadas que marcaram os períodos históricos destas,  eram tocadas ao som da Orquestra Sanfonica Potiguar  e cantadas por um casal em um repertorio da melhor qualidade:  Gerado Vandré,  Caetano, Gonzaguinha e Cazuza deram o tom da trilha musical.

O jurista Seabra  Fagundes foi agraciado como patrono nacional, tendo o seu neto recebido uma plaquete.  O patrono Local foi o Advogado Potiguar, Francisco Ivo Cavalcanti, advogado, jornalista, teatrólogo, escritor e poeta, falecido há 40 anos.

 A medalha Rui Barbosa foi entregue ao combativo advogado capixaba e atual presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal , Agesandro da Costa Pereira. Na oportunidade foi teatralizada sua trajetória coroadas da gloria de lutar pelo bom e pelo justo, dos atentados que sofreu por parte do Sindicato do Crime Escuderie Le Coq do Espírito Santo. O presidente Cesar Brito entrou nos ultimo minutos da solenidade e fez um discurso conciso e denso, marcado por frases de impacto político, contra o arbítrio, tortura,  e por políticas publicas inclusivas eficientes. Depois houve um farto coquetel e jantar que deixou a todos satisfeitos.

A Seccional de cada estado trouxe um stand onde expõem seus produtos turísticos, a nossa é destaque, pois para cá veio o staff da Caixa de Assistência que se esmeram em orgulho  distribuindo simpatia, corações de plástico  vermelho para apertar e ser  anti-estresse, cachaça gelada, tira gosto de frutas nativas, além da veiculação por som mecânico do  nosso legitimo forró  pe-de serra, onde os passantes saem grogues…..  com um telão exibindo continuamente as nossas extasiantes  belezas naturais, folclore e cultura .

Fiz o meu certificado digital pelo preço promocional  durante o evento de R$ 80,00, o preço normal é R$ 160,00. Cuidem  fazer,  pois em março  o judiciário entrará em rota irreversível de digitalização de todos os procedimentos.

A esperada conferencia de abertura de Celso de Melo foi magnífica!. Fiquei entusiasmado com a fala dele. Pegou a constituição e teceu uma critica contundente ao governo entreguista de FHC  a quem ele se negava a dizer o nome chamado de "aquele senhor que governou o pais antes do atual governo", e metia bronca!, dizendo que houve uma entrega graciosa e criminosa – um verdadeiro crime de lesa pátria,  do  nosso patrimônio nacional – Teles, Vale dó Rio Doce, Petrobrás, bancos estaduais, setor elétrico, na danosa política de privatizações  que foram entregues ao capital estrangeiro, ferindo de morte artigos constitucionais. Ao terminar sua magistral conferencia que era entremeada por aplausos da assistência, foi ovacionado de pé por todos os presentes, até por aqueles que torciam o nariz para  o que ele dizia.  Na saída uma adversa de suas idéias disse que o governo que ele estava enaltecendo era um "governo para bobos" parafraseando o lema do Gov. Federal "Governo Para Todos", mas  é a voz da minorias…Mas a ala conservadora não se manifesta, fica quietinha, caladinha, escondidinha…. E nós militantes dos Direitos Humanos vamos continuando dando a pauta…. Mormente que eles só tem tempo de ganhar dinheiro…e não de militar em favor de um pais mais justo e digno para todos…  

A tarde aconteceu a tão esperada reunião das Comissões de Direitos Humanos das Seccionais do País. Tiago chegou quando ela estava começando. Nos puseram em um auditório super quente, em uma tarde quentíssima. Mas ninguém saia dali devido ao interesse que tal reunião suscitara. Representantes de S. Paulo, Rio, Minas, Amazonas, Pernambuco, Goiás, e eu e Tiago da Paraíba, etc. Foi aberto os trabalhos com a fala do Dr. Luiz Duboc Pinaud, que logo no inicio da palestra começou a apresentar um comportamento estranho e que desestabilizou sua participação, ele começou a me agredir verbalmente, me chamou de agente infiltrado, carrasco,  torturador, cínico,  debochado, truculento, desqualificado, isto apontando para mim, dizendo "esta pessoa que se encontra na segunda fila, com cara de policial,  tomando refrigerante de forma acintosa e desrespeitosa para com a minha fala com deboche"  e ai eu notei que era comigo, e comecei a me irritar juntamente com Tiago e comecei a rir da cara dele, pois não entendia aquela atitude grosseira e desequilibrada. Eu me encontrava junto com Tiago na segunda fila e deu vontade de sair, mais eu queria ver ate onde ele ia, pois não falou nada do que se  propôs – a tortura – ao invés disso me nomeou saco de pancadas via impropérios verbais. Falou de forma agressiva também a uma outra colega a Pres. Do CDH-RJ que foi citada de forma acintosa e agressiva por ele.   Depois vim saber o motivo de tanta agressão, ele e a citada presidente da CDH-RJ Margarida Pressburguer tem uma briguinha local ela e seu irmão o falecido jurista Miguel Pressburguer;  ele ao chegar me viu interagindo junto a citada, pensou que eu era aliado  dela.

Eu estava vestido informalmente diferentemente de todos os advogados presentes, todos de terno e gravata em um calor insuportável daqui de Natal, e mais em um auditório com o ar condicionado quebrado e sem ventiladores ou ventilação natura uma sauna natural… Estava  convenientemente vestido para esse clima tórrido de camiseta manga curta de algodão, jeans e tênis. Ele pensou que eu não era advogado…

Quando  ele terminou  sua fala a representante do Rio de Janeiro, também vitima de sua insana ira,   pediu direito de resposta, subiu a tribuna e me defendeu  dizendo que o palestrante ficou trans do tornado quando a viu falando comigo e passou a lhe agredir e   a mim. Disse que o tempo precioso daquela reunião não poderia ser usado para agredir pessoas sem o menor motivo, me defendeu indagando porque ele se chateou pelo fato de eu estar tomando água em uma garrafa de plástico……  

Logo em seguida falei,  inicialmente não toquei no assunto da agressão por mim sofrida, dizendo da minha  expectativa por aquela reunião quando  fui convidado pelo Conselho Federal para participar. Disse que era um momento impar e que não podia ser desperdiçado para avançar no processo organizativo do trabalho pelos direitos humanos em nosso país, que o objetivo daquela reunião deveria ser uma oportunidade de ouvir o relato de experiências de nossos colegas por estado, seus êxitos, frustrações, perspectivas e a busca de sinergia para uma ação comum. Porem até aquele momento o que vi foi agressão a minha pessoa por parte de um palestrante totalmente desequilibrado, que faz um discurso  auto-elogioso e de auto louvação,  em busca de ser paparicado. Que demonstrou em sua fala não ter condições nem de estar naquela tão importante mesa, que a atitude do agressor eu até compreendia e naquele instante o perdoava pelos seus atos, pois notava que era uma pessoa que se encontrava perturbada e além do mais,  aparentava um estágio avançado de senilidade. Que eu via a vida como uma corrida de revezamento, onde cada um dos participantes tem que saber a hora de passar o bastão para frente e eu notava que ele não sabia que já devia há muito tempo ter saído de cena pela sofrível fala dele, que algumas pessoas como ele, apesar de se dizerem militantes dos direitos humanos no discurso, na prática são pessoas cheias de preconceito, pois naquele momento em que ele me viu, somente enxergou a  minha aparência e não a minha essência. Careca, forte,  porte  atlético, vestido esportivamente, me confundiu com um Skim head ou  policial, quando na verdade, sou advogado, professor, fundador do Movimento Nacional de Direitos humanos- MNDH, atual presidente do conselho regional nordeste deste movimento , ex-presidente da Seção Brasileira da Anistia Internacional, Fundador e  Conselheiro dos Conselhos Estadual e Municipal de Direitos Humanos, dirigente de ONG’s e ali estava como  Presidente da CDH-DA OAB/PB representando a PB..Que as pessoas que militavam com direitos humanos tinham que ser amorosas, gentis, confortadoras, acolhedoras e não agressivas, rancorosas e violentas. Que deviam praticar aquela atitude que Che Guevara adotava  simbolizado pela imortal frase: "Hay que ser duro pero sin perder La ternura jamas". Que apesar das agressões sofridas, perdoava ele,  pois era seu admirador pela sua meritória trajetória, que tinha estado com ele algumas vezes e sempre ouvindo e aplaudindo sua postura discursiva em favor dos direitos humanos e da soberania e interesses nacionais. Que concordava com suas idéias, e até havia  subscrito o "Manifesto dos Juristas Brasileiros" elaborado por ele em defesa do Brasil há uns 08 anos atrás quando presidente da Anistia Internacional. Agradeci a paciência de todos os que me escutaram e me sentei, todos me aplaudiram e me elogiaram pela elegância com que  repliquei e tripudiei com a deselegante e grosseira atitude do agressor.

Em seguida,  combinei com Tiago para que ele em sua fala –   agora restrita  pela presidência da mesa ao tempo regimentalmente previsto de 3 minutos para cada pessoa; que ele levantasse as idéias da formação de um e.grupo de discussão pela internet entre os  membros das comissões e  ele o fez com brilhantismo, sugerindo proposta de reunião anual, que esta deveria ocorrer no inicio do mandato da gestão para planejamento do triênio, bem como naquela reunião deveria ser garantida a fala de todos e todas para que pudesse haver a troca de experiências. Em seguida também falou em minha defesa  ressaltando o meu compromisso com os direitos humanos, da minha participação com ele no Comitê Paraibano de Educação em Direitos Humanos em um trabalho pelo interior do Estado , da minha trajetória como destacado militante e dirigente de organizações e da CDH=OAB, de sua indignação pelas agressões sofridas por mim  como Presidente da CDH e  requereu uma cópia da ata daquela reunião para apresentar na reunião da CDH/PB para as devidas providencias, e que  como representante da Paraíba sentia que toda a Comissão foi agredida.    Foi aplaudido por todos.

Em seguida o agressor saiu de fininho da mesa e se postou na parte de trás do auditório, humilhado e envergonhado com sua atitude. As falas de todos os que se seguiram foram em meu apoio e  solidariedade

O constrangimento do agressor foi de dar pena!. Ao final da reunião as pessoas se aproximaram para me cumprimentar e um deles amigo do agressor, veio a mim,  interceder por ele, perguntado se eu me permitiria receber as desculpas formais dele, e fazer a paz com ele, eu disse que já o tinha perdoado, e que não tinha nenhum problema apertar-lhe a  mão  e até lhe dar um abraço,  e ele veio até a minha pessoa,  pediu desculpas e me pediu para dar o assunto por encerrado, aceitei seu aperto de mão  e abraço,  dizendo-lhe que meu temperamento era de uma pessoa madura  e como o de uma  criança sem rancor e que entendia que éramos latinos e por isso, passionais, exuberantes e apaixonados naquilo que fazíamos ou defendíamos e que  nossos inimigos não estavam ali dentro e sim lá fora,  e contra eles combatíamos . Ele riu e saímos do auditório. Lá fora todos e todas elogiaram a minha madura e equilibrada atitude em relevar o acontecido. 

Bem gente, fiquei  muito abalado com o que aconteceu comigo hj. Contei com a irrestrita e solidaria presença de Tiago,fiel escudeiro. Disse a ele que ainda não acreditava no que tinha acontecido,  que realmente ser militante dos direitos humanos reserva a cada um de nós fortes emoções. Que ao sermos contaminados pelo " Militococos Militantes Humanos- MMH";  somos arrebatados  para sair do marasmo, imobilismo, pieguice e monotonia de uma vidinha normal  de gente do senso comum,  que só se preocupa com o próprio umbigo e interesses pessoais. 

Bem, finalizando,  hoje aprendi que as vezes onde menos esperamos violência é onde ela mais aparece. Violência domestica, entre amigos, militantes, colegas etc.

Avante , que enquanto houver vida, esta ainda nos reservará capítulos inolvidáveis de fortes emoções! Aguardem cenas dos próximos capítulos…

Abs.  a todos e todas e desculpem pela alongada missiva, foi a minha forma de desabafo.

Saudações Humanísticas! 

Deixe um comentário

Arquivado em Não categorizado

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s